quinta-feira, 20 de novembro de 2008

LUMINOSIDADES ou OLHO DO ESPÍRITO





Como vai você,
ó flor de cacto do deserto?...
... solitária, maravilhosa
em meu pensamento
de ser a mais bela
no jardim de ninguém!?

Como vai você,
ó resposta do fundo oceânico?...
... inatingível, desconhecido...
meu pensamento
é a vela aberta por ti vagando
a tantas coisas lindas que não sei...

Como vai você,
analogia solar?...
... da célula ao universo
do universo à célula,
tão simples de entender,
tão difícil crer,
se minha cegueira sensível
está escondida sob o Sol...?

Como vai você,
aparência, realidade?...
... dois extremos que separo
absorvo
tal o ferro do imã
e sou só
pra nas trevas olhar alhures
e numa autocrítica
contemplar o que só eu descobri...

Como vai você,
ó ser das profundezas?...
... que vendo submerso
a superfície,
tal qual tenho de céu o ar
acho-me conformado
por achar que isto é tudo...?

Como vai você,
ó sabida intuição imediata
sem influência filosófica...?

(1998)





***