O vazio de tua presença






E se me faltares

Ao ledo engano
E cobrires com pano negro
O futuro dum final feliz
E moldares com tua destra
O Mundo Novo
Que tem na mesmice a mestra
E olhos à semi lua
,
E passares a mim
O sermão dos derrotados
À letárgica visão do lugar comum...
Saibas
,
Ó doce dama do entardecer
Que tudo o que lhe ofereço
São meus jorros seminais
E redescobertas atuais
Que se afloram bem mais
Que as carícias virginais
Que tu me ensinaste
E do meu âmago tiraste
A rudeza dos gestos
Se tudo ao que presto
E tenho dom
É de, no babel dos imitantes
Ter a música no ouvido
Reconhecer pela voz teu som
,
E se me chamares
Mesmo falto de sentires
Descalço
Correrei sobre os estilhaços
Do vidro fumê
Que me deixam à mercê da desilusão

E verei a felicidade transparente
Romance da gente
Se o capuz hipócrita retirar
Pra ver
A vida
A nossa, ali em frente.



***

Companheiros de Estrada & Amigos