terça-feira, 1 de março de 2011

memórias do cubículo - 2











com tanta água
água me falta

há uma mina distante
que se morre de sede
que se morre pela sede
de nela se chegar

há o espaço/tempo
duma liberdade inalcançável
um desejo que se evapora

se sei que lá
há uma mina que se morre de sede
pra nela se chegar

onde transborda a água que me falta

tal minha juventude
que vi escoar
sem nunca saciar-me
do élan que me leva
...

eu queria ver a morte e retornar
eu queria ver
as águas da mina distante
quase no meu epílogo
 ainda tão sedento pela vida



***



o cubículo o qual me tranco
vem do desprazer dum mundo errado
vem da ilusão dos hipócritas
vem dos sorrisos virtuais

a vida tem que ser vivida
aos trancos & barrancos
(não há fuga aos risos e prantos)

"um homem de valor
calmamente
quando fecha  a porta
e tranca-se em si mesmo
olha ao redor
analisa
 a fim de certificar-se que tudo está em paz
no seu devido lugar

mas há aquele que bate a porta
cega-se
debate-se

quando os dois se cruzam
o primeiro está de olhar altivo
o segundo de baixa cerviz
como quem diz:
'por que não sou o outro?'"

o cubículo existencial são duas espadas
uma, do bem, é o cordeiro entre lobos
a outra, do mal, é o lobo entre cordeiros

talvez o fim seja uma poça de sangue
apenas uma poça de sangue
não importa de quem seja
na singularidade do que se deseja
do que se cumpre sem se desejar
...


***




às vezes peco
às vezes não
às vezes creio em deus
às vezes descreio
e desconfio de mim mesmo

deus me olha como uma formiguinha desatenta
pra lá e pra cá num micromundo

talvez por isso
apesar de minha minúscula bondade
me guie com seu indicador

talvez deus seja o sol e a lua
que vejo que estão no céu

talvez eu só me dê conta deles
quando não os vejo
mas seguro de que lá estão

talvez Ele sinta falta
quando a formiguinha encerrar seu ciclo
...

acho que se deus não se importasse comigo
só teria criado seres inanimados

é

mas aí Ele veria em espelho
e se fartaria de monologar eternamente

meu deus
está na sensibilidade
na fraqueza
face a face com minha pequenez



***


.