LAMPEJOS OU O LIVRO DE MINHA VIDA


*****


Sublinhei meus erros na caminhada
Até então os corrigi com uma risada
No viés decente visto fantasia
Mascarado repenso o livro todo dia.



Não é de hoje, tempo imemorial já faz
Que todos me veem sujeito pertinaz
Mas dúvidas pendentes residem em mim
Tais as de vivido não pressentir meu fim.



Meus desacertos apagam as brasas
Tão poucas do que quero atngir
Quero fugir, fraco não tenho asas
Quero ficar sem fogo pro fogo luzir.



De contínuo, neutro, busco as verdades
Das mentiras crônicas meu entendimento
De ser dúbio como os homens das cidades
Uns, um pouco, outros, cem por cento.



Sou água rara no fatídico deserto
Fictícia vertente límpida cá do concreto
Sou o que fere, repudia, e está inocente
De sentir-me culpado pelo presente.



Minha imperfeição é a estrada oposta
Que passei, que vem, que fica pra trás
Assim, de mim, sou eu quem gosta
De tudo que ao outro nada apraz.



Do riso deste dia tenho a resposta
Por um triz quase fui derrotado
Deixo a quem quiser minha proposta
Pro livro da minha vida ser contado.

*****


(1980)

Companheiros de Estrada & Amigos