um sábio neozelandês



tinha um sábio neozelandês
repórter nas horas vagas
numa crise existencial
procurado
logo depois que passou pelo paquistão
e levou um tiro na bunda

meditando sobre a dor profunda
sobre a bala
sobre a dor na bunda
que abala
traz à baila uma palavra iracunda
berrou:
caralho! porra de caralho!

mas concluiu
que toda bala tem um alvo reto
nem que seja incerto

e também na bala
que atinge um avião
ou
um pássaro que acabou de fugir do zoo
(no ar)
(questão improvável mas possível, que
só passa na cabeça de um sábio)


ficou fodido com o sábio chinês
inventor da pólvora
que queria ficar só no mundo
que ensinou a pescar
mas nunca pescou pra ninguém

pensou no grão de mostarda
numa pequena descoberta
que abalara o mundo

e com tanta dor na bunda
achou que devia existir
uma bala superpoderosa
que fosse capaz de implodir o pentágono
tirar israel do mapa!

mas como era humanista
perdoou o terrorista
que por engano
fez da bunda dele seu alvo
por inimaginar
o que estaria fazendo
um sábio neozelandês naquelas bandas

nunca mais quis frequentar
as frentes de batalha
abalado que ficou
jurou
largar a profissão de repórter
sair da embriaguês
voltar à lucidez

sentar numa pedra diuturnamente
meditar

pra quem sabe uma bala perdida
não lhe atingisse a cabeça
ou um órgão vital

se desacreditava
nas manchetes que via no jornal

de tanto pensar
deu um tiro na cabeça
pra deletar a realidade


*****

Companheiros de Estrada & Amigos