4 Sementes.



4 Sementes.



Conheci um cego que tinha a luz que jamais
eu tivera até àquele instante.
Conheci um mudo que escrevia sobre o belo
que até então eu desconhecia.
Conheci um surdo que me maravilhou ao
divagar sobre o som do silêncio...
E continuei meu trajeto, até deparar-me com
um homem em estado terminal, que me disse
que gostaria de ser cego, surdo e mudo, mas
que inda pudesse viver um pouco mais...
O homem me olhou e, com os olhos cheios de
vida, ressaltou que eu era um ser normal,
portanto, um ser feliz...
Respondi-lhe que minha doença era a febre
constante rumo à felicidade e que, minha estrada,
por demais longa, até chegar a ele, fora assim :
...a de me condoer pelo próximo em tentativas
solidárias; e que, em algum ponto dela, jazia
a felicidade que sempre me fora cega, surda e
muda... e que...que o seu momento era o
inverso do meu, pois, de mim, inda restava um
corpo em trânsito, transitório, judiado pela lida...
E segui adiante, refletindo a respeito de nossa prosa.
Cheguei a conclusão que a Felicidade é só um
estado d'alma que pode consertar o mundo...
Até desejei plantar quatro sementes pelo resto
do caminho que me faltava pra tornar real
o que eu sentia, talvez como um marco
biográfico que diria inconteste aos transeuntes:
'Vida, eu passei por aqui".


*****

Companheiros de Estrada & Amigos