o despertador de corda





O despertador de corda
desperta a dor.

Acorda, ah! a corda!
a corda do laço, ah! sei lá
do lá que sei!

Sei que sou expectador
que não domina nada
- cínico classe dominada!

Meu opinar é uma febre,
sua solidez mutante
às mensagens do bem-falante,
sua linguagem, a língua
à míngua
dos intelectos radicais...


Secais, cais dias desses, se cais...
secais os cofres Vossa Excelência,
deixando a falência,
botei fé
e ainda sofro de querência.


O despertador de corda
desperta a dor.

Acorda, ah! acorda!
a corda dos imediatismos,
vantagens, lucro certo
de um país sub...
subindo ritmo tartaruga,
é a tar...
a tartaruga extinguindo-se...
é atar,
atar a irresponsabilidade.

Acorda, ah! a corda!
a corda do laço que me prende a Maria
a Maria do lar, sem dó, sem lar
sem dólar,
mas que tem o meu amor
como tatuagem no peito
que o tempo descolore.


O despertador desperta a dor.
E a falta de grana mata o amor.
E a falta de vergonha mata um país.
Esperança é o que há
na salada política dos brasis.

(1992)
Postar um comentário

Companheiros de Estrada & Amigos