domingo, 27 de abril de 2014

A dimensão do meu amor





Se em devaneios noturnos
Sentir-me tocado
Por tuas mãos gélidas,
Saberei quão eterno
É o amor
Que a ti não demonstrei...

E te procurarei
Em idos sonhos
De situações vivenciadas
E, nas encruzilhadas,
Seguirei teu vulto
Sem jamais querer acordar.


***