camaleão




ele muda de cor
de acordo com o meio,
o poeta de palavras
se não se põe o freio

o poeta convive
com o camaleão
dentro de si:
é de sua natureza
se chora e ri

a do camaleão
é sua defesa,
sua  inata natureza
sua esperteza

even i am a fool
at school of life

qué está pasando em mi cabeza?
si voy a cambiar

diverso
divirjo
em todo ambiente
deslocado
ele está presente
indigente
ignorado

minha cabeça camaleoa
cria frases camufladas
naturalmente
a tantas outras
e da real voa

meu eu
ao vivo
esconde-se
pra escrever um poema novo
mas tão igual
em bis
num renovo



***

Companheiros de Estrada & Amigos