Eu seu que Ele sabe do meu histórico vital.



em noites insones
mil trovões
mil ciclones
mil espíritos me entrevistando
mil males e feridas 
meu corpo se contorcendo
e chorando
mil dias de fome
de mais fome esperando
mil batalhas perdidas
em encruzilhadas me chamando
mil tolices reiterei
mil vezes me maquiei
seu nome neguei
em congregações de vícios
em ira me apaziguando
mil vezes não deixaste-me morrer
pois algo em mim estava faltando

heis-me aqui, senhor,
o que restou de mim:

um corpo saudável
para Ti usar
no mistério de Teu plano

ensina-me a viver o que me resta
dê-me, depois de mil chances,
um décimo de bondade
pra temperar esse mundo insano
de mil + mil + mil
& outros mil
em que caia minha máscara
e eu mostre meu lado pueril

mesmo nas noites insones
de mil trovões
de mil ciclones
entre mil  entidades
sei que há  uma estrada espiritual
e num ponto dela
Tua mão me aguarda
a despeito de meu lado mundano



***









Companheiros de Estrada & Amigos