Apenas uma resposta ao longe



(sonetos de minha mocidade, 1980)


"Longe da cidade, no anoitecer, observo o seu clarão.
Solto o pensamento na corrente dum rio. Busco
uma resposta que preencha o meu vazio."




Busco esperança na beira que descanso
Neste dia manso numa prece poderosa
A porta saudosa dum rio celeste na visão
Na tensão de ir-me em sua calma fogosa

Presságio espectral à solidão amplia
Na atonia duma face o todo mundial
Sem fuga mental e crença na agerasia
Que renascer traria à espera duma nau

O que é a água andar - pra viajar tê-la
Se e'meu outrar, longe, ela finda algures
E no âmago no negror duma estrela?

Se foi à resposta - revém à soledade
Inda na cidade rebrilha a constelação
Impura no chão - avesso desta verdade





******

Companheiros de Estrada & Amigos