sexta-feira, 20 de junho de 2014

era pra ser um soneto, mas fiquei com preguiça de emendar.









era pra ser um soneto, 
mas fiquei com preguiça de emendar.


teu vero amor são úmidas sementes
em meu olhar ao sol da montanha
sinto-te tal brisa nas correntes
abraçar-me marota tua manha,

brotam-me bramidos tão frementes
o passado triste não me arranha
o espinho de vis flertes carentes
que tive na mágoa tamanha,

desvio-me de olhares diferentes
fujo agora da armadilha estranha
sem forjar formas incoerentes
que no teu corpo uma feição ganha

se noto ocos n'almas querentes
de tudo que em ti gosto e me assanha


***