por acaso




(um poema de minha juventude, entre 1978/80)


***


"negócio de amor...
trato inescrito sem prazo"

por amor
me levanto me arraso
tantas vezes
 &
outras mais
sem querer
enfeitiçado/aluado
por tantas lindezas tipificadas
mas desiguais
&
com qualquer uma delas
até sem amor
inesperadamente me caso

Será que por amor
naquele flerte diferente
quando se está carente
&
a cabeça pede um estio
alguém pinta de repente
pra preencher o vazio
na troca dum olhar
que diz que o amor surgiu

&
apesar do descaso
a lacuna que falta
aparece por acaso

Será que assim a fim
o medo fundo torna-se raso
se dois corpos unem-se
&
por mero acaso
o sorriso volta
torna-se razão de ser

Será que foi por acaso
que moldamos nossas vidas
sem a gente perceber
cientes de que neste caso
num caso nosso amor se transformou

Por que dos porquês...?
o que nos restou?
por acaso alguém sabe
do que invade
os nortes da sensatez?...

só o olhar, talvez...



****

Companheiros de Estrada & Amigos