corpo & alma





preciso escrever

o serviçal
sempre atrasado
não me vem com a caneta e o papel

não vê que estou sentado
olhando pra cima!

seguro o poema pelo rabo

pois o poema tem corpo

logo vira alma

se escapa ninguém vê

dizem
por aí
que o poema quando morre
vai morar no céu

ora!
meus poemas!
deixem minh'alma em paz!
o céu é infinito pra vocês reinarem!

com um teco de pedra
escrevo na calçada:

'poesia
tu que não me pertence
és alma fugidia
que agarro
que amo
como razão de vida
certo que jamais serás minha

vá em paz

vá'


***

Companheiros de Estrada & Amigos