terça-feira, 16 de setembro de 2014

a sombra da agonia.



a meio caminho
do destino que eu não via
o monstro insensato
sua face disforme
contorcia

'ei
se eu fosse você
por ali eu iria'

assim era
minha noite e meu dia

no balanço dobre
de ver-me
e achar
que ninguém mais me veria

até que senti
o leve toque às minhas costas
de repente 
o estalo cíclico dum novo refletir
como romper duma hemorragia
da dor que sentira
antes do desencanto
de tudo ser-me
uma efêmera porcaria

e senti-me incapaz
de dar mais um passo
meio àquela agonia

ali
face a face
matando-me
como o prisioneiro
que lá de fora
dormitava na cama fria

como uma sombra
e apenas sua sombra
tão livre eu via

do destino
que me assombra
me faz livre do croqui
da afamada ideologia
enfim
de tudo quanto quis
quero
em alusão ao que eu queria


***