flor de cacto.





eu quis a flor de cacto
desértica solitária
da poeira do massapê

rompi léguas a sofrer
e a achei serena
tão murcha em miserê

tardei em ver tanta beleza
na hostil natureza
o vento meu encanto desfazer

eu quis só o cacto
verdume intacto em resplendor
na poeira do massapê

eu quis achar o amor
fiquei com a fugacidade da flor.


*****

Companheiros de Estrada & Amigos