idas & voltas.








viver como se cada encontro fosse o último
e cada despedida a derradeira...

e o que se leva senão lembranças do que foi vero
com uns pequenos ajustes aqui e ali...

ah, a maldita e genial máquina humana!
...e aquele afã incontido na memória
querendo um momento a mais
uma pitada a mais
da felicidade entre os extremos...


sim!
viver é cultivar aquela paz atemporal
apesar das mudanças que sentimos
na flacidez dos músculos e nos vincos da pele
viver e ser enterrado com sonhos
 e entregar o verbo
de mão em mão a cada geração


viver como o barulho das ondas insones
 castigando as pedras...

e ao longe apenas recordar  seu som
como idas e vindas da felicidade
num piscar lento dos olhos...

viver e crer
 pela últimas vez
que o amor é muito mais que uma sucessão
de encontros e desencontros...

talvez sejamos apenas observadores 
de algo impossível de se mudar
na linha vital repleta de escolhas...

talvez
cientes de nosso destino
temos sim vocação para a paz interior
mas também para sucumbir
ao que a natureza explicita aos nossos olhos...

viver como se cada onda fosse a última
cada visão do mar a derradeira
e ser tragado pelas águas salgadas
com o sorriso de que valeu a pena...



***





Companheiros de Estrada & Amigos