segunda-feira, 22 de setembro de 2014

matutinos.





# 1.

hoje acordo
com o elã de menino
não seria sempre assim
nem sempre assim seria
se o olhar a que me atino
outras vezes vi
tão observador
pra não pensar
no que agora
vou deixando pra trás

.................................................

# 2.

vem um ciclone
na direção da capela
onde eu e ela
queremos casar

não sei se é ira de momento
ou se o vento
é um novo pensar
um novo arrependimento

escombros vejo
soterrando
o vazio
que se faz presente

por isso
indignado
dúbio lamento
a frustração impactante
que tela nenhuma revela

........................................................

# 3.

uma boca clama por justiça
na estação de metrô
escura
desativada

só eu a escuto

outras vezes
numa nota aguda
contínua
 a despercebo
quando desfila  por esta calçada
o afã desta gente moderna
ligeira
na ânsia de uma voz
que
por objetivo
tem que ser forjada
à surdez doutra
que lá embaixo só
há muito
de todos fez-se alienada

...........................................................

# 4.

uma criança e seu pirulito de caramelo
com um adulto de mão dada

o adulto quer chegar logo
a criança conversa com sua fada

ambos se distraem
à margem da praça isolada

cada qual no mundo
cada qual com sua jornada,

dê um off na imagem
aperte o power

já se foram
5 segundos não é nada

se de longe olho
o espaço
de duas etapas

tão mais rápidas
num piscar de olhos
em que me vejo nela
em flashes
duma passagem homogênea
que desfaz-se fragmentada
qual corrida inerte


.........................................................

# 5.

cansado dos hipócritas e demagogos
estilhacei meu espelho

quis uma borracha mágica
pra apagar meu convívio

só encontrei alívio
no diário roto do que eu era
fiz um releitura

a partir de então
quer eu queira
quer não
deixei-me influenciar

fiz uma faxina
as malas
uma viagem
e me mudei pra mim mesmo
sem olhar pra trás

tem um dia novo lá
reverso
ao riso que ri inutilmente
ao choro que me deixou semente

.................................................

# 6.

quero morrer de repente
sem aviso prévio
sem um pingo de lágrima
de nenhuma gente

se quando nasci
houve felicidade

guardem somente ela
que teve dia marcado

não o simples morrer
que não tem idade

deixando de lado
as pedras do fadário
a 52 anos a cada manhã
faço aniversário

........................................................

hoje, manhã de 27/5/ 2010