Teatro de mentiras.







Num país onde não existe oposição e a mídia em geral sucumbiu ás benesses oferecidas pela Corte, ou seja,

o sindicato  ou cartel  hereditários de esquemas e falcatruas que começam desde o mais pífio vereador duma 
cidadezinha e vai até o ápice das repartições de Brasília e, por conseguinte,  que reina sobre
 um povo acomodado a sobreviver graças ao "boom" econômico das grandes montadoras e
 investimentos internos e externos -- eu, REHGGE, ainda sou obrigado a assistir,
 no Teatro das Mentiras, a 'satisfação pública' e o golpe psicológico de notícias escabrosas em julgamentos 
do  tipo 'engana trouxa' que a mesma mídia manipulada pelos 'Senhores do Crime' 
engendra como se duvidasse de minha capacidade de raciocínio






O Brasil, sim, é o país dos espertos, daqueles que se filiaram a um partido, não para servir o povo, mas para
servirem-se a si mesmos. Exemplos? Lula, o metalúrgico, que saiu dum boteco, que virou sindicalista, que se
vendeu às grandes corporações seduzido pela gana de riqueza e poder; riqueza, aliás, que dividiu entre
seus comparsas e familiares. Outro? Ah!, alguém, por acaso, já pensou de onde vem a grana para cobrir
os gastos advocatícios dos mensaleiros (amigos de Lula, invisíveis). Alguém, por acaso, já imaginou
o quanto custa a indústria mais deficitária do mundo, que é Brasília, a cada cidadão trabalhador? Alguém,
por acaso, é  capaz de entender que o Nordeste é a plataforma política desses ordinários e larápios?
Alguém, por acaso, ainda não notou que o motor propulsor político  brasuca são as maracutaias e acertos
e distribuição de cargos que se fazem desde o mais reles detentor do poder público? Alguém, por acaso,
entende por que o governo banca centenas de ONGs na Amazônia sitiada? Difícil, hein, mas notem 
a consciência de quem  entra na fila do MST a fim de angariar um pedaço de terra: o felizardo, quando
consegue, simplesmente o vende e volta à luta caminheira. Eta povo!! E assim vai. 






Sou apartidário. O que noto é que não interessa a máquina governamental, e  isso vem de longe, que
o povo saiba pensar e tenha diploma universitário. Não interessa ao governo mudar o esquema, mudar
suas leis internas que o beneficia. Já imaginou, amigo leitor, todos serem julgados pela justiça comum?
Pense nisso, ok, Pense também nos interesses político/industrial/ìndividual que sucatearam as
ferrovias. Isso é incrível!!! Pense como cidadão do país mais belo  e autossuficiente do mundo. Até quando,
em que geração, poderemos nos orgulhar em ter um país sem o segundo poder, o crime organizado? Até 
quando estaremos a mercê de bandidos comuns que roubam, matam e estrupam nos lares? Até quando
conviveremos com o tráfico de drogas que gera dependentes, de dependentes  que viram bandidos?
Até quando teremos uma polícia subornável e, pior, consciências subornáveis? Até quando seremos 
marionetes desse poder, dessa democracia disfarçada? Entra um, sai outro e nada de novo no front!






Saravá! É carnaval! Sabem que em muitos lugares pessoas vão se mascarar com a cara desses
políticos que estão na mídia! Sabem que esses mesmos políticos, ao assistirem, irão rir a valer e
depois aparecerão como ovelhas e salvadores da lavoura na próxima eleição.!? Que país é este?!
 Respondo: "um país de sucessão de escândalos, um Teatro de Mentiras." Eta geração de Macunaímas!









***rehgge, 2005







Companheiros de Estrada & Amigos