do tempo decrescente.



podia ser um sonho a vida

que a gente tanto merece

e os desejos serem mutantes

tais quais a gente quisesse



podia o universo palpável

 abrir-se num mar de ilusões

como encantos furtivos

que nenhuma vivalma merece



ah, se nesta hora repentina

aliviar-me da triste sina

eu pudesse

descer a escada do sono eterno

se num sonho ela eu tivesse



pra tatear o chão com os pés

despertar e clamar ao vento:

ó tempo!

num raio de luz vívido posso ver

o brilho que se me desfalece



*****

Companheiros de Estrada & Amigos