in(concluso)








 escrevo este poema
entre tuas pernas

com a língua áspera
degusto o gosto do mel salobro
que teus arrepios traduz

sufoco-a num beijo ardente
escuto sons de palavras mudas

sou amante
sou poeta

ah
o cheiro de suor no ar
como um poema
 que já não me pertence

escrevo este poema
entre tuas pernas
com a língua áspera
febril e deslizante
até ao orgasmo que se esquece


***

Companheiros de Estrada & Amigos