soneto interminado



o amor, às vezes, nasce do nada
das diferenças sem ser semeado,
nasce naquela ideologia forçada
sem ser o que havíamos pensado

do amor, às vezes, rimos sem piada
se o  perdemos por algo dar errado,
mas no vero amor não existe cilada
só a aventura dum jaz lado a lado

ora, tantos passos firmes no escuro
voos alucinógenos noutra dimensão
brinda-nos paciente o oco do futuro

ora, um novo tempo a cada estação
que 'por amor' saltamos o alto muro
pra nunca nos vencer à sofreguidão

***




Companheiros de Estrada & Amigos