domingo, 28 de maio de 2017

o tempo e o vento.




talvez a vida seja o livro  
muito breve
que cada um escreve
desde o primeiro choro
ao último folego

os fragmentos 
dentro desse  espaço de tempo
sejam apenas  páginas:
umas, sem rasuras
outras, intermináveis
linhas cortadas, apagadas
rasuradas
e um novo dia 
no calendário
dum diário inescrito
de garranchos desenfreados
e também linear
se se está lúcido e em paz

talvez a vida esteja
naquilo que não se escreve
ou nos espaços em branco
de um ou outro ato
de uma ou outra ideia

mas o fato é
que cada  um tem sua história
sua versão e aversão
daquilo que constrói & desconstrói
nas escolhas de sua passagem

eu
por exemplo
miro os giros do catavento
pra saber quando vou empinar minhas pipas

sei que peixes fogem dos espelhos d'água
e procuro uma sombra

eu 
por exemplo
sempre quis escrever um livro
dentro do meu livro da vida
mas 
não consegui resgatar meus rascunhos
nem dar sentido a eles

talvez
por isso
a vida  me seja bela
porque sempre espero 
por fatos novidadeiros
pelo inusitado
á margem do besteirol

hoje me reencontrei com um velho rabugento
que faz pipas pra molecada da rua
simplesmente pra não perder as memórias
de seu livro 
já no epílogo da vida
...
como ele ria...

***




























Postar um comentário