Não quero ser o elo podre, enferrujado




tão fácil jurar
e desculpar-me.
tão difícil praticar
e pedir perdão.
tão fugaz meu pecar,
tão pesada minha cruz.
tão doloroso meu sofrimento,
tão amargo meu abandono.
tão fácil ser ignorante,
tão difícil compreender.
tão fácil tê-lo no pensamento
tão difícil à realidade
ofuscando do meu espírito
a luz de minha bondade.
meu Deus é a essência
inata do meu saber,
acho-o em mim mesmo
a esmo Dele ser seu ser.
não digo nada de novo,
mas a corrente que une a fé
multiplica-se através
como último refúgio de um povo.


***

Companheiros de Estrada & Amigos