terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

telúrica dualidade.





borbulhos d'água
como lágrimas
clamam
de sumidouros  concebidos

olhares vagos se ufanam
em pensares perdidos

no vital chã barrento
de vida e morte sentidos

*****