metamorfose.




em seu micromundo
perambulava pelas escarpas
de verdume e flor

o clarão de um maçarico
um foguete na transversal
abriu-lhe os olhos

tudo havia murchado
tudo estava cinza
já não havia vida

replay do clarão
em sentido inverso
tudo voltara ao  normal

mas já não era mais um menino
apenas um velhote
assobiando uma canção pastoril
no mutante universo

um lapso memorial
uma visão decimal
do espermatozóide ao pó
a uma resposta
de porquês infinitos



***

Companheiros de Estrada & Amigos