quarta-feira, 18 de junho de 2014

nem só de poemas vive o poeta., mas de todo sonho possível.






viste o vento nos capins das pradarias
de pássaros  miúdos bailando nos ramos

viste da tua trilha uma canção de exílio
quando alçam voo a outras bandas

no descompasso do passo
o que farias inerte
revendo teus rascunhados planos

a levar-te num sopro ao idílio
das aruandas e calangas
sem o olhar retro
da rajada empurrando-te metro a metro

viste?
quão fácil é sonhar
quão fácil é planar
como bumerangue
triscar os pés no mar
atolar-se no mangue

pra saber que o balanço
das plumas incessantes
na haste dos capins
são notas dissonantes
migram como vozes migrantes
espelham semblantes
que lhes emprestamos
se mansos estamos
traduz do trapézio a leveza
em que liberas teus curumins
se em trilhas e afins
buscas teu pão à mesa
assim como os pássaros
um grãozinho
desta planície aos confins

viste?
ajoelhe-se e reze comigo
pois se viver é nosso castigo
então pequemos
já que não sabemos
pra onde os ventos nos levam
nos gorjeios soltos só pra nós
felizes agora, ao menos
num duo pensar, plenos

de que a aurora vital 
vaga a tantas plagas
como se tivéssemos do céu
suas escadas




*****