conquista (canto de uma época)







a marca, a fibra
passos já pisados, a dor
sou pedaço de estrada, um nada
anônimo sonhador

a marca, a fibra
nos atos, nos fatos
paraíso sem relatos
o governo, o estado
de pobres, bárbaros
o meu
a máquina elitista
à conquista
do que penso me pertencer

a marca, a fibra
a mão
do sistema que diz não
a um ideal
porque sou na verdade
pedaço de estrada, um nada
fonte que há de verter
trago de memória uma história
e de presente o verbo ser



(1978)



**

Companheiros de Estrada & Amigos