rodopios.


eu queria sair sem rumo e dar uma volta ao mundo,
e depois regressar para contar as histórias, no fundo do quintal,
rodeado de estranhos que meus olhos colheram na viagem;
mas, na impossibilidade, escreveria memórias a espíritos
incapazes de sentirem  o cheiro de minha terra, o cheiro do arvoredo,
a sinfonia desordenada e maravilhosa do passaredo, o vaivém das formigas,
o latido dos cães nos quintais dos vizinhos,
as primícias de um novo recomeço neste lugarzinho escondido
onde o mundo é só um retorno para dentro de meu eu verdadeiro.



***

Companheiros de Estrada & Amigos