flashes da cidade.








o palhaço deitado
debaixo duma árvore frondosa
viu que a vida não é cor-de-rosa 
de repente calado
dobra uma folha de papel
azul da cor do céu
deprimido
com a cabeça em carrossel

limpou a maquiagem do rosto
voltou a ser ele num dia de agosto

olhou lá em cima um galho
pensou em se enforcar
mas não tinha corda pra pôr no pescoço

interrogou-se:
por que o show tem que parar?
esse dilema quis levar consigo
mas quando viu a linha do trem
lá diante vinha um mendigo
andando torto
com seu pé de pau
lendo em voz alta a canção da vida

quis correr e abraçá-lo
depois de um dia doído

não conseguiu
sem saber
nele
a graça de viver
à margem da  tristeza
havia falecido

o mendigo passou de largo
gargalhou 
voltou
tocou o corpo inerte

despiu a fantasia do palhaço
abriu a caixinha de tintas
se pintou sem espelho
pôs o nariz de borracha redondo
as calças largas de bolinhas
o sapato-jacaré
a camisola larga presa nos pulsos

(ali deitado apenas um cadáver nu)
 riu de si mesmo
e se transformou no palhaço
mais esquisito do mundo

pegou o avião de papel
desdobrou
leu a frase:
'um leão atrás das grades
em plena selva;
um palhaço que faz graça
pra cegos e surdos
ao som da cidade;
a canção da vida absoluta
são as cores querentes de nosso ser
no mais 
carecemos de embalagem
pra embalar o riso escondido
nas entrelinhas do padecer'

e foi pelo caminho
assobiando
sua canção da vida

doravante
seria palhaço pra sobreviver
mas sem dom
teria que aprender



**



Companheiros de Estrada & Amigos