quarta-feira, 26 de julho de 2017

o passarinho azul


indo do quarto pra cozinha
um canto inesperado pela janela ouvi
lá fora num galho seco
um passarinho azulado
saltitava
piava 
cantava e dobrava
como se me dissesse
estou aqui

sempre na mesma hora
na mesmo local ele aparecia
pra colorir meu dia
e eu ficava ali observando 
até ele ir embora

por um tempo
de repente ele sumiu
fiquei magoado
afinal
não passo de um ser vil
quase já o tinha esquecido
mas
andando pelo quintal
entristecido
vi um casal azulado
construindo um ninho
no beiral do telhado

fiquei feliz
não tinha me abandonado
arrumou uma fêmea
estava enamorado

pensei em mim
ensimesmado
vi que somente eu
vivia sem ninguém do meu lado

eu tinha algumas lembranças
na minha casa
onde por vezes eu também cantava
mas nem mais os espíritos
das mulheres que antes eu amara e me amaram
atendiam meu chamado


**





Postar um comentário