pescador de ilusões.


a maré esquece suas conchas na areia
os riscos no céu
estrondosos
ensurdecem as ondas até os abismos das pedras
pintadas de cores metálicas


um barquinho solitário flutua na gangorra do mar
(um pontinho que sobe e desce meio ao redemoinho)

o coração do navegante palpita com suas manobras frustradas
mas traz lá no fundo um único desejo
o de chegar a salvo ao seu canto de repouso

pra no colo da amada
(a musa de suas ilusões)
contar mais uma de suas aventuras
num dia de trabalho
...

se dessa vez ele ainda regressar
sem as tempestades que a cabeça cria


***















Postar um comentário

Companheiros de Estrada & Amigos