quinta-feira, 22 de abril de 2010

Da Série 'Proesias Absurdas do Novo Milênio' - 1


Da Série 
'Proesias Absurdas do Novo Milênio' - 1
..........................................................................


brothers.

muito triste, foi a loja de varejo pontocom
e comprou um cachorro. virtual, lógico!
..........................................................................


suicida previdente.

construiu um túmulo no fundo do quintal.
adentrou.
puxou a tampa de concreto,
se acomodou.
pelo celular, ligou
para a defesa civil.
havia deixado pago o serviço da empresa
de cata-entulhos.
duas cápsulas tomou
de sonífero que a velha rabugenta,
sua vizinha, lhe emprestou.
a bomba-relógio acionou.
e navegando na web ficou.
.......................................................................


a fórmula.

doou todos os seus bens a instituições de caridade.
esse ato de grandeza humana trocou por uma
fórmula que lhe garantiria um reinado e
mandato eterno num país que ainda seria decoberto.

pequeno aparte:

as instituições de caridade lhe pertenciam.
eram heranças hereditárias.
..................................................................................


declaração de amor.

era um fã apaixonado da musicista que tocava
virtuosamente flauta doce.
não aguentou. revelou-se.

eis sua declaração de amor:

pego uma furadeira,
faço furos no meu pênis,
passo açúcar,
só pra você assoprar.
assim unimos o útil ao agradável.
ah, se não sair som, eu assobio!

a resposta dela:

aceito sua proposta.
soprarei horas e horas seguidas, meu gato;
mas arrume um tubo de oxigênio e um inalador
porque sofro de bronquite asmática.
puxa, eu pensara que o romantismo tivesse
acabado. tô até imaginando nós dois na sala,
à meia-luz, jogando fuck-fuck no videogame...
preliminares, entende?

-- sei, sei. você toca de ouvido?
-- ah, safadinho! a partitura tá chipada
na minha cabeça.

...............................................................................


o sonhador.

cantava o hino nacional de um país imaginário
que falava em céu estrelado e
rincões paradisíacos,
de terras férteis,
de mares e rios azuis,
de verdume e quetais.

chegou a polícia do manicômio e o
exilou em outro planeta em formato
de girassol que tinha tudo de seu país
imaginário, e que tudo se renovava a
cada segundo.

lá no planeta-girassol tornou a cantar,
amiúde, o mesmo hino nacional.

aí chegou deus e lhe disse:

'ô, sonhador! você e seu sonho já morreram.
mas que país é este que não me recordo de ter
inventado?
..........................................................................

rehgge.