o espelho (2)






vejo neste espelho
mil olhos atrozes
minha imagem sê-los
por ser ninguém
ter nada de conselho
e na fúria (des)amorosa
dar-lhes os meus desvelos


vejo neste espelho
o que pensei que via
com meu olho interior
encenando a vida todo dia


vejo neste espelho
dois olhos pueris
e nem a mesquinhez
que em forma de deboche
comanda, procura comandar
e nem minha ira peculiar
nada, nada mudará
minha forma de olhar



***

Companheiros de Estrada & Amigos