domingo, 23 de novembro de 2014

parti por ti.





parti
depois do "suma"
que Nhá Chica me deu

quis pular do viaduto
mas lá embaixo
vendo meu sangue jorrar
vi uma fileira de luto
pela morte de um fruto
que de maduro caiu
sem dizer adeus
aos filhos seus
aos amigos paus d'água
lá de São Matheus.

parti
depois da última surra
que Nhá Chica levou
do meu rival

(pô! até dei um puta home theater zero pra ela
e 6 cds piratas!)

mas... parti
na farra da batucada
meio na transversal
sob os cabos de aço do tróleibus
na cidade de enxoval
de capuz
que nem sequer
me viu cair
me viu existir
ao vivo
correndo da tristeza a flux

passa o desfile
de carros em profusão
e uma roda de curiosos
saiu da procissão
ladeada com o carnaval
ali constataram:
morreu mais um fulano de tal.

(pô! me vi , ali, num caixão, na Rio-Santos
vindo pra Sampa, mas passou pela minha cabeça
que, meio sem rumo, eu nem soubesse que tinha morrido)


lá vem , lá vem
o bombeiro, o paramédico!
querem me ressuscitar
não adianta
já morro faz tempo
no morro
em fatos dum jornal
cuidem de meus trecos
morrer é tão normal
recriem minha arte no adobe
no corel
sou só mais um número
um maluco que foi pro beleléu.

Será que a Chica vai chorar?

*****