giramundo.





o pássaro se perde na distância
lá no céu fica tão pequenino
ah, se  lá eu pudesse matar a ânsia
e ter ainda  as asas de menino...

queria fazer suas acrobacias
pensar o mundo lá de cima
como colmeia e formigueiro
sem contar o passar dos dias
olhar pra todos os telhados
sentir-me livre desta sina
um livre passageiro
sem estes prédios de cortina

lá vai ele, meu pensamento
pousar num canto sem rima
multicor a cada experimento,
tudo o que vejo é obra-prima
o que já vivi é esquecimento,
la vai, lá vai, voando, voando
ele liberto a mim anunciando
os degraus do  firmamento

o pássaro, seus breves rodopios
vai se perdendo no telado azul,
as nuvens tecem-se como fios
 me levam além da América Sul


***




***












Companheiros de Estrada & Amigos