sábado, 22 de agosto de 2015

todo amor que sinto.





todo amor que sinto
não cabe em
vai além 
de dois quartetos e dois tercetos

um amor faminto
que se espraia
dos palácios aos guetos

todo amor que sinto
senhores e senhoras
é um poema inacabável
que vai perdendo  força
no contar das horas

todo amor que sinto
é todo querer universal
um dia a mais d'esperança
a anos-luz do bem e do mal

todo amor que sinto
é  o poema inescrito
em cada fôlego vital
é o máximo de mim
sangrando e sarando 
na inata  travessia
da vida comum
que se torna desigual



**