sábado, 22 de novembro de 2014

o velho vendedor de sandálias e chinelos.









o velho vendedor
gordo e bonachão
com sua calça de suspensórios
tinha um farto bigode grisalho...

ele me vendia sonhos

apontava lá longe na esquina com suas sacolas
e seu vozeirão imponente com sotaque português:
-- sandálias e chinelos a preço de fábrica!

nunca pude comprar um par
por mais modesto que fosse
...
me enchia de orgulho quando alguém comprava
e eu saltitava de pés no chão
dentro do meu calçãozinho de pano de saco

hoje uns trocados não me faltam
quando olho na mesma direção
ainda escuto o seu 'slogan':
-- vamos lá freguesia!!

o asfalto cobriu o pó
a avenida está movimentada
preciso ir numa loja
quiçá no shopping...

os tempos são outros
mas a alegria que eu sentia
quando o velho vendedor aparecia
já não sou capaz de externar
apenas permanece
dormente em minha memória
como ingênua felicidade
que não voltará jamais

o seu vozeirão
sempre me vem à tona nas manhãs
em que do portão fico
torcendo pra ele aparecer...
mas uma vozinha dentro de mim intercede:
-- moleque! ô moleque! não cresça jamais!
















***